• Rua Albion, 402 / 512 - Partenon
  • (51) 3207-9454 | 99914-2181

Curiosidades

Recordes da natureza

A maior cordilheira
Cordilheira dos Andes, na América do Sul, com 8 mil quilômetros.

A maior ilha
Groenlândia, com 2.175.600 km2.

A montanha mais alta
Mauna Kea, no Havaí, tem 10.203 metros a partir do fundo do oceano Pacífico. Se for considerado apenas o pedaço que fica acima do nível do mar, a montanha conta com 4.205 metros.

A principal queda d’água
Angel, na Venezuela, com 979 metros de altura.

O lago mais alto
O mais alto lago navegável é o Titicaca, no Peru, 3.811 metros acima do nível do mar.

O lago mais profundo
Lago Baikal, Rússia, com 1.620 metros.

O maior golfo
Golfo do México, com 1.502.200 km2.

O maior lago
Mar Cáspio, entre Rússia e Irã, 372.000 km2 e 980 metros de profundidade.

O maior rio em extensão
Amazonas, com 7.025 quilômetros.

O maior vulcão
Gallatiri, Chile, com 6.060 metros.

O oceano mais profundo
Oceano Pacífico, com uma profundidade média de 4.267 metros.

O ponto mais alto
Monte Everest, no Himalaia, fronteira entre Nepal e Tibete, 8.850 metros acima do nível do mar.

O ponto mais baixo
Mar Morto, entre Israel e Jordânia. A superfície da água está 396 metros abaixo do nível do mar.

O ponto mais chuvoso
Monte Waialeale, no Havaí, com uma média anual de 11.680 mm.

O ponto mais frio
Estação de Vostok, na Antártida, -89,2ºC (21/07/1983).

O ponto mais quente
El Azizia, Líbia, 58ºC (13/09/1922).

O ponto mais seco
Deserto de Atacama, no Chile, sem chuvas do ano de 400 a 1971.

Quantos somos
Em 2011, a população mundial atingiu a marca de 7 bilhões de habitantes, hoje estima-se que este número seja de 7.250 bilhões.

A Ásia abriga mais de 60% da população mundial, com quase quatro mil bilhões. A China e a Índia sozinhas têm 21% e 17% respectivamente. Essa marca é seguida por África com 840 milhões de pessoas, 12,7% da população mundial. Os 710 milhões de pessoas da Europa correspondem a 10,8% da população mundial. A América do Norte tem uma população de 514 milhões (8%), a América do Sul, 371 milhões (5,6%) e a Oceania em torno de 60 milhões (0,9%).

Os países mais populosos

China  1,33 bilhão
 Índia  1,18 bilhão
 EUA  308 milhões
 Indonésia  234 milhões
 Brasil  194 milhões
 Paquistão  166 milhões
 Bangladesh  161 milhões
 Nigéria  151 milhões
 Rússia  141 milhões
 Japão  127 milhões

Fonte: IBGE PAíSES e United Nations Statistics Division – relatório de 2008

 Os continentes

 Ásia  44.250.000 km2
 América  42.191.000 km2
 África  30.264.000 km2
 Europa  9.907.000 km2
 Oceania  8.534.000 km2
  • Segundo a mitologia grega, Europa foi uma ninfa muito bonita que despertou os amores de Zeus, deus-rei do Olimpo.
  • Oceano, o deus dos rios, deu origem à Oceania, enquanto sua filha Ásia, mãe das fontes e dos rios, é o nome de batismo do continente vizinho.
  • África é uma deusa que carrega um chifre numa das mãos e um escorpião na outra.
  • Dos grandes continentes, só o nome América tem origem pagã. Seu inspirador foi o explorador Américo Vespúcio. Para se harmonizar com os outros femininos, Américo tornou-se América.
  • Pangéia é o nome do continente único que existiu há 180 milhões de anos e que, ao se dividir, originou os atuais continentes.

 Antártida
– Tem o tamanho de um Brasil e meio, quase 2 Europas e, mesmo assim, permanece desconhecida em pleno século XX.
– Mais de 2/3 da água doce do mundo está ali, só que sempre em forma de gelo – líquida não há uma gota sequer. Se tudo aquilo derretesse, daria para abastecer todas as cidades do mundo por um milhão de anos.
– É o lugar mais frio do planeta. Em 21 de julho de 1983, na base Vostok, a temperatura baixou a incríveis 89,6 graus negativos. Um recorde mundial.
– No verão, praticamente não há noites. Já no inverno, é o dia que não amanhece. Nas áreas próximas ao pólo, o sol brilha por 6 meses consecutivos. Mas, em compensação, escurece em maio e só amanhece em outubro.
– Por causa do vento, o tempo muda a todo instante. Em menos de uma hora, é comum abrir o sol, fechar, nublar, chover, ventar, nevar.
– Apesar de ser só gelo, é um dos lugares mais secos do planeta. No interior do continente, chove apenas 140 milímetros por ano. Menos que no Saara!
– A camada de gelo chega a ter 4.700 metros de espessura – ou 12 Pães de Açúcar. E no meio do gelo há microbolhas de oxigênio que podem contar a História da humanidade. A 10 metros de profundidade, encontram-se vestígios da bomba atômica de Hiroshima. A 300, o mesmo ar que Jesus respirou.
– Lança ao mar cerca de 4 bilhões de toneladas de gelo por ano.
– No inverno, por causa do congelamento do mar, o continente muda de tamanho e fica uma vez e meia maior. Quase o tamanho da África.
– É o único continente do planeta que não tem população nativa nem permanente. O primeiro cidadão da Antártida só nasceu em 1978.
– Tem o ponto mais inacessível do mundo. Fica entre montanhas, a 3.720 metros de altitude, nas coordenadas 82º06′ Sul e 54º58’Leste, e é o lugar mais eqüidistante do mar de todo o continente antártico.
– É o último reduto de ar 100% puro do globo. E como a poluição não existe, a visibilidade engana. Ali, o longe sempre parece mais perto.
– É o mais alto de todos os continentes. A altura média das montanhas antárticas é de 2.040 metros, 6 vezes mais do que, por exemplo, a Europa.

 ILHAS E ARQUIPÉLAGOS BRASILEIROS
Fernando de Noronha

O arquipélago de Fernando de Noronha tem 18 ilhas e ilhotas, totalizando 26 quilômetros quadrados. Apenas a principal, que também se chama Fernando de Noronha, é habitada. Trata-se da mais bela e fascinante ilha brasileira; ganhou o apelido de Esmeralda do Atlântico.
Em 1504, o aristocrata português Fernan de Loronha, um mercador abastado, recebeu de presente de d. Miguel I uma ilha perdida no Atlântico. Ainda que o lugar fosse encantador, o nobre não mostrou o menor interesse por ele. Tanto que, anos mais tarde, a Coroa portuguesa tomaria o presente de volta. A única coisa que o aristocrata fez foi batizar o local, embora jamais tivesse posto os pés ali.
Por quase dois séculos, a ilha ficou abandonada, sendo alvo fácil de piratas e invasores. Foi ocupada por holandeses, que a chamavam de Pavônia, e por franceses, que lhe deram o apelido de Ilha dos Golfinhos. No ano de 1737, pernambucanos e portugueses a recuperaram para o Brasil. Para evitar novas invasões, 10 fortes foram construídos, formando o maior conjunto defensivo do período colonial. Hoje restam ruínas de apenas dois deles, o dos Remédios e o de São Pedro do Boldró.
Na Segunda Guerra Mundial, Fernando de Noronha serviu de base para aviões americanos. Desde 1988, é propriedade do governo de Pernambuco.